Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

More than just a leitmotif

Ao vivo, Placebo funciona muito bem. De baixo de uma iluminação simples, mas eficiente, Brian Molko, Stefan Olsdal e Steve Hewitt se apresentaram durante uma hora e meia, fazendo jus à expectativa da platéia.

Mas notei algo: o show foi ótimo, sim, foi corretíssimo musicalmente, sim, mas foi frio. O que é muito humano, aliás. Os caras se apresentam há meses, talvez, pelo mundo todo, tocando sempre em cidades que nem sabem o nome, em países que nem desconfiavam existir de verdade, pra uma platéia sempre igual.

Um cozinheiro já cansado de cozinhar, prepara os pratos sempre pela mesma receita. Acho que é isso que aconteceu com Placebo. Entraram, tocaram o que sempre tocam e saíram. Tudo muito bom, mas faltou um pouco de tesão.

Na verdade, quem tava com tesão de tocar era o baixista, que pra mim era apenas o cara magrão que aparece nas fotos. Ele chamou mais atenção do que o vocalista, o que eu acharia impossível de acontecer antes de ontem. Mas aconteceu. Enquanto Brian Molko fez sua performance friamente calculada, Olsdal dançava, rebolava, se exibia, pulava, se esfregava na caixa de som. Claro que tudo era friamente calculado também, mas ele transparecia estar se divertindo, pelo menos. Quanto ao baterista, só podemos vê-lo quando entrou e saiu do palco. Deveriam inventar uma bateria transparente. Mesmo sem vê-lo, percebemos o som firme durante toda a apresentação.

Minha grande expectativa era vê-los cantando Without you I'm nothing. Isso aconteceu, foi bacana, mas não foi a melhor da noite. A melhor foi Special K. O refrão é muito bom de cantar e pular ao mesmo tempo (e foi isso que - quase - todos fizeram).

Outro destaque foi Nancy Boy, com uma introdução assobiada por Molko acompanhado pela guitarra do baixista (era isso mesmo?). Foi a única música em que ele passou a voz para a platéia, lá nos versos "across all shy and coy just another nancy boy" que eu, perdido na letra, deixei de cantar. Admiravelmente, o show teve alguns daqueles momentos em que pessoas acendem isqueiros e ficam se balançando (incentivadas por Olsdal, aliás). O melhor desses momentos foi durante Twenty Years (ou era Teenage Angst?).

Infelizmente, não cantaram Protect me from what I want em francês. Eu prefiro. Não entendo nada da letra, mas é mais, digamos, íntima.

Não sei porque insistem em dizer que Placebo é uma banda de glam rock. Malditos jornalistas! Se não dizem, pelo menos sempre perguntam quando fazem entrevista, e depois escrevem um parágrafo dizendo como os músicos ficaram descontentes com o rótulo.

Brian Molko vestia camisa branca e gravata preta. Cabelos curtíssimos.