Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

O laranja em si

Em época de carnaval, para estar por dentro das coisas, melhor do que asistir aos desfiles é assistir ao Sem censura. A Leda Nagle sempre leva lá carnavalescos, jurados, presidentes de escola e pessoas importantes para falar a respeito do que acontece. É muito interessante notar, então, que o carnaval é, em muitos aspectos, algo altamente profissional e intelectual, e me espanto sempre em saber de coisas que vão além do simples bate-coxa “sempre igual” da avenida.

Por exemplo, o caso do carnavalesco Paulo barros, que fez um desfile genial pra Viradouro. Dentro do mundo das escolas de samba, ele é, talvez, o único cara que inventa coisas novas e criativas, fazendo um carnaval “sem cara de carnaval”. Todo mundo achou impressionante, mas ele ficou em quinto lugar. Há várias questões morais, legais e sensacionais para isso ter acontecido. O fato é que apesar de ter ficado na quinta posição, o cara é o mais falado, foi tema de matéria no Jornal Nacional anteontem, e vai ser o mais lembrado daqui há anos. A escola campeã? Hummm... tinha um beija-flor na frente e um monte de plumas...

viradouro.jpg

Bom, teve a Preta Gil desfilando na Mangueira como rainha da bateria. E lá estava ela no Sem Censura dizendo que a aconselharam a passar laquê nas coxas pra não aparecer as celulites, mas ela não quis, porque as únicas pernas que ela têm são com celulite e é assim que ela gosta de mostrar, afinal ela não queria desfilar com “uma Hebe nas coxas”. E contou a história do convite pra desfilar e como eram escolhidas as madrinhas de bateria da Mangueira antes, e como foi complicado para ela, longe de ser uma modelo, sair onde saiu.

Acho interessante saber essas coisas, e dá pra perceber que em geral o mundo do carnaval, apesar de parecer tão próximo, é tão desconhecido quanto a escolha do Papa. Todo mundo sabe da hora H, mas do antes e do depois nada se conhece.

Já a transmissão dos desfiles serve, geralmente, para me divertir. Este ano não houve nada como a fantástica Ana Paula, mas pude ver, por exemplo, Luma de Oliveira totalmente esquizofrênica dizendo que sua meta para o ano que vem é ser presidente de alguma escola de samba. Também vi os bailarinos de Ana Botafogo desmaiando de exaustão, três minutos após ela dar uma entrevista toda alegre dizendo que exigiu deles a disciplina e a dedicação do balé clássico. Vi um repórter dizendo “terno lindo de morrer” e a Beth Carvalho tentando invadir um carro alegórico e ser expulsa.

Ah, claro, vi um pouco do carnaval de Canoas, numa transmissão da Ulbra TV em que o comentarista admirou-se: “o laranja em si que a bateria está vestindo dá um contraste muito bom”.

4 comentários

Comentar post