Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

Peguei-te, leviana!

Já posso morrer intelectualmente feliz: fui na ópera ontem. Il Pagliacci usa de matalinguagem para falar de um grupo de atores que chega num vilarejo para encenar uma peça cômica sobre adultério. Só que, na vida real, a atriz principal está apaixonada por um camponês e o marido dela, ator e dono da companhia, é o ciúme em pessoa e ameaça matar todo mundo. Quando estão interpretando a peça, ele fazendo o Pagliaccio, e ela a Colombina, que tem um caso com o Arlequim, ele se enfurece com tudo e mata ela. O amante, na platéia, vai ajudá-la, e acaba morto também.

Já na última parte da ópera, um dos palhaços da companhia, Tonio, que ama a atriz mas é desprezado por ela por ser manco, entra em cena com um frango para o jantar. E adivinhem onde ele traz o frango? Hem? Hem? Hem? Numa sacola do Zaffari!

Estava enganado ao falar aqui anteriormente da duração da ópera: tinha apenas uma hora e meia. O ensaio teve quatro horas sabe-se lá por quê. Talvez o maestro tenha ficado torturando cada um dos membros do coral.

A ópera iniciou às 16:30 e o jogo do inter era às 16 horas. Lá pelo meio do espetáculo alguém atrás de mim falou, muito sério: "o jogo tá um a um". Pelo menos nem um tuberculoso sentou-se ao meu lado, nem alguém debilóide tirando fotografias com flash.

Para minha estupefação, havia legendas! Por um lado é bastante interessante para quem não fala italiano ou para quem fala mas não entende o que se diz gritando por sobre a orquestra. Por outro lado, desvia a atenção do palco. Bastava alguns minutos de leitura do programa para entender o que estava acontecendo. Mesmo assim, gostei de ficar acompanhando, minuto a minuto, os diálogos. "Peguei-te, leviana!" foi a melhor fala.

Quanto à ária que eu havia citado aqui, é a última do primeiro ato e se chama Vesti la giubba. Justamente quando Canio descobre que está sendo traído por sua esposa e, mesmo assim, tem que vestir-se de palhaço e interpretar a peça, fingindo que está tudo bem, fazendo os outros rirem, mas com a certeza de que sua mulher vai fugir com outro. Foi sensacional. Interpretação de Miguel Sanchez Moreno. Aí um trecho, traduzido do encarte do meu cd do Plácido Domingo:

Você pensa que é um homem?
Você é só um palhaço!
Vista a fantasia e pinte o rosto.
O povo paga para rir de você.
E se o Arlequim fugir com a Colombina,
ria, palhaço, e todos aplaudirão!
Transforme em piada tua agonia e lágrimas;
Transforme numa cara alegre teu soluço e dor.
Ria, palhaço, do teu amor arruinado.
Ria da dor que envenena teu coração.

1 comentário

Comentar post