Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

A Casa de Quartos - Parte 2: Hit me again

Me mudei para a casa dia 12 de agosto de 2000. Fui colocado no quarto maior, o único quarto bom vago. Tal cômodo era para abrigar duas pessoas e eu tinha que rezar para que ninguém a mais chegasse, senão teria que dormir acompanhado por um estranho (isso acabou acontecendo um mês depois, e o estranho era meu colega de faculdade, mas no dia seguinte foi tirado de lá - dizem - pelo pastor da igreja que ele freqüentava).

 

Na casa, a essas alturas, já moravam outras cinco pessoas: uma moça simpática demais, daquelas que te pedem emprestado shampoo e 2 reais logo depois de te conhecer (Adriane, a veterana do local), e dois funcionários do Campus do Vale da UFRGS (que fica no lado oposto do morro): Cláudio, com seus 30 anos, bem educado, cabelos longos presos num rabo-de-cavalo apenas solto quando chegava em casa, e um senhor de cabelos brancos, alto e forte, alegre, Seu Renato,  que trazia chocolate ou chiclete, às vezes, para nós. No quarto no fim do corredor moravam ainda, há menos de uma semana, um casal, que só chegava à noite e adorava fazer comida com muito alho, deixando um cheiro ensurdecedor na cozinha.

 

Tudo parecia ir bem. Almoçamos até todos juntos num domingo em que as donas da casa foram limpar o jardim. Elas eram anti-petistas e eu ficava muito bravo com as coisas que falavam sobre a prefeitura, mas tudo bem, “eram boas pessoas” eu me equivocava pensando.

 

Então, coisas aconteceram: cortaram a nossa água. Simplesmente, um dia à tarde não tínhamos água e soubemos que a dona não havia pago. Telefonema pra cá, telefonema pra lá, no dia seguinte pagaram. Mas então cortaram a luz. Discussões rolaram. A menina veterana xingou todo mundo, aos gritos, no telefone. Novamente, pagaram no dia seguinte. Isso viria a acontecer diversas vezes ao longo do tempo: as donas da casa não pagavam as contas e nós ficávamos sem água e/ou luz. Um espanto. E, claro, elas sempre eram as vítimas. Elas pagavam em dia, mas a prefeitura petista mandava cortar...