Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

Mazel Tov!

Pode parecer bobagem ou idiotice o que vou dizer, mas mesmo assim direi: Munique foi o único filme que me fez sair do cinema arrepiado. Outros filmes me deprimiram profundamente, outros me deixaram irritado, outros me deixaram com sono. Nem um havia me deixado arrepiado.

munich1a.jpg

Munique é muito estranho. Por ser um filme do Spielberg, eu não esperava coisas muito chocantes, mas fiquei com o queixo caído em algumas seqüências. Por exemplo, há uma cena de sexo completamente inútil, que aparece só para os personagens poderem falar que estão transando enquanto a mulher está grávida de sete meses. Eles transam de lado e dá pra ver a bunda do Eric Bana. Isso é bastante surpreendente.

Há uma das melhores cenas de morte da história do cinema: uma espiã leva dois tiros de balas pouco mortais em sua casa, vestida com um roupão aberto, deixando aparecer sua nudez; enquanto não morre, vai andando lentamente pela casa, abraça o gato que está na cozinha e senta-se na sala; tosse e sangue começa a sair do buraco que tem no pescoço; recebe um tiro no rosto e só então morre, toda nua; um dos caras cobre seu corpo, mas o outro vai e deixa-a exposta novamente. Demais!

munich2a.jpg

Para ler a crítica que eu escrevi, aperta aqui. Foi difícil conseguir escrever esse texto e ele não ficou satisfatório, porque aconteceram coisas que me deixaram muito atrapalhado para pensar direito. No entanto, está mais interessante do que a crítica destrutiva que a Veja publicou, dizendo que o filme é ingênuo e não toma partido algum. Isso é uma completa besteira.

Apesar de não ser moralista, o filme nitidamente demonstra que os palestinos são uns monstros insensíveis. No meio de todos os assassinatos, há uma conversa entre Avner e um membro da OLP. Lá o palestino expõe seus problemas, fala das famílias injustamente tiradas de seus lares por Israel e trancafiadas na Faixa de Gaza. Ok, ele tem bons argumentos, mas logo em seguida já o vemos junto com um terrorista e suas palavras perdem todo fundamento, afinal ele é o cara mau e tem que ser massacrado. Já os judeus são tão bons que pensam que não são tão bons e têm crises de consciência. Mas tudo certo, o filme é interessante assim mesmo.