Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

Pê, pererê, pê, pê, pê, pê

Ultimamente, tenho estado musicalmente diversificado. Deixei bobagens de lado e tenho encontrado momentos interessantes ouvindo, igualmente, Odair José, Beatles, Vanusa e Tati Quebra-Barraco. Sob certa ótica, até É o Tchan é apreciável. Djavan também. Imbuído deste sentimento de que (quase) tudo vale a pena, fui no show de Ivete Sangalo.

ivete.jpg

Uma consideração inicial: detesto carnaval. São duas contradições, afinal as músicas dela são as que mais tocam no carnaval, mas tudo bem. Ela é uma das mais faladas e apreciadas artistas brasileiras atualmente (no final do ano passado e nos meses seguintes, ela não saía da televisão - como todos podem lembrar-se), canta bem, é simpática, é bonita e, daqui há 20 anos, quando der uma reviravolta em sua carreira e passar a cantar sambinhas de Tom Jobim eu vou poder dizer: fui num seu show quando ela ainda cantava Levada louca.

Um tumulto no lado de fora do gigantinho, filas para todos os lados, chovendo sem parar, pessoas empurrando pra lá, outros reclamando de cá, ambulantes vendendo Skol a dois reais porque lá dentro só teria "kaiser quente e cara". Depois de ser amassados (eu, Rodrigo e nossos guarda-chuvas) entre o grupo que queria desesperadamente entrar pelo portão um, conseguimos entrar e não fomos para a pista, afinal lá só vai quem conhece as músicas e quer dançar. Fomos para as cadeiras, de frente para o palco, lá pra cima. Depois de mais ou menos uns 30 minutos de atraso, a mulher entrou no palco.

Me vi despreparado: que que eu faria num show de axé music? Conhecia o refrão de algumas músicas, dava pra bater palmas, mas não tinha vontade de ficar dançando, nem fazendo a coreografia das ondinhas. Depois de um tempo, tive que entrar no clima e levantar, balançar, sacudir e agitar os braços. Mesmo assim, me sentiria melhor se estivesse vendo o dvd do show sentado no meu sofá. Principlamente porque não me saía da memória um cara que foi no programa Fica Comigo da Mtv (faz um bom tempo) e Fernanda Lima perguntou: o que tu faz? e ele respondeu: sou professor de axé, daí colocaram uma música e ele ficou dançando. Achei tão patético que não queria nem chegar perto de tal atitude.

Mas quase cheguei. Na segunda metade do show, depois de ficar um tempão conversando com a platéia, apresentando a banda e dizendo que quer ser cidadã porto-alegrense, ela passou a cantar músicas mais antigas, do tempo da Banda Eva. Essas eu conhecia. E me empolguei mais. Muito legal cantar "Meu amor, olha só, hoje o sol não pareceu. É o fim da aventura humana na Terra".

Com seu tênis desportivo e seu vestido com as cores do Rio Grande do Sul (apenas um acaso) ela cantou também "Deu pra ti, baixo astral, vou pra Porto Alegre, tchau", no bis, mas não cantou Soy Loco por ti América. Ora, é a música de abertura da novela das oito, como ela pôde não cantar? Gilberto Gil não liberou os direitos para apresentações ao vivo ou ela não sabe cantar a letra difícil?

Fiquei chocado com uma música em que todos gritavam "E aí? Chupa toda! E que se foda!" (na verdade, agora sei, é "Chupa toda! Disse toda!").

Ela tem coxas enormes. Canta sorrindo e com imenso prazer. Na televisão não sua tanto.