Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

Rock, macarrão e Daslu

rockc.jpg

Esta quarta-feira é um dia especial mesmo. Vou fotografar o festival Aquário do Rock, lá no Cine-Theatro (Cristóvão Colombo, quase esquina com a Ramiro). Vai tocar o Júpiter Maçã, Pata de Elefante, Identidade e Cartolas. Começa às 22h. Eu vou ser alguém estressado com uma câmera na mão.

Eis que, me preparando para almoçar, vejo no Yahoo! Notícias, que a polícia federal invadiu a Daslu e levou a proprietária presa. Acusações: contrabando, sonegação fiscal e formação de quadrilha. Por essa eu não esperava. A Daslu é a loja (com várias lojas dentro - mas não é exatamente um shopping center) mais luxuosa do país. Todo mundo fala na Daslu. Agora continuam falando, mas nas páginas policiais.

Deixei a água para fazer o macarrão fervendo enquanto fazia coisas no computador. Porém, deixei a panela, provisoriamente, com uma tampa de plástico. E esqueci. Quando fui ver, a tampa tava toda mole e derretida dentro da água quente. Vou comer macarrão com plástico, porque não trocarei a água, já que estou com muita fome. Deve fazer bem. Amanhã tem cabine de imprensa de um terrorzinho adolescente chamado Amaldiçoados. O slogan do filme é: O que não mata, fortalece. Pois é...

Mirad los lirios del campo

Estou trablhando, com a Paola, na tradução do filme argentino Mirad los lirios del campo, baseado no livro do Erico Verissmo que, como pode-se supor, é o Olhai os lírios do campo. Não temos o roteiro, então a Paola fica escutando o que as pessoas dizem e vai anotando. Eu dou acessoria técnica, moral e gramatical.

A tradução á para fins de legendagem, já que passará na Usina do Gasômetro a partir de 02 de agosto. Não posso falar sobre o filme, porque não o vi inteiro ainda, só até onde já traduzimos, de segundos em segundos parando.

Ele é de 1947 e tem coisas boas, como a seqüência da primeira operação do Dr. Eugênio, e coisas risíveis, como quando ele começa a lembrar do passado, ohando pro nada, a câmera vai se aproximando e de repente aparece um expiral em sua testa, indicando que estamos indo para épocas remotas... É meio cômico hoje em dia. Na década de 40, na Argentina, talvez ainda fosse preciso fazer toda essa introdução para indicar que iríamos ver coisas que já aconteceram. Ou o diretor exagerou. O diretor, aliás, é Ernesto Arancibia.

Sorte que eu reli o livro mês passado. Isso tem ajudado bastante.

"Migrantes habitam novos viadutos da Capital"

migrantes.jpg

Boa matéria no Zera Hora ontem, de Andrei Netto, sobre os migrantes que moram nos novos viadutos construídos perto do aeroporto. (Para quem quiser ler, clica aqui. É preciso se cadastrar, mas é de graça.) Não é um texto maravilhoso (dizer que as pessoas catam "latas de metal" é bem esdrúxulo...), mas a história é interessante.

Entretanto, o que mais me chamou a atenção é a foto de capa, essa aí de cima. É linda. Do Ronaldo Bernardi, o mesmo que fotografou a criança atropelada que eu coloquei aqui no mês passado. Quase comprei o jornal para guardar a foto, mas minhas magras finanças acharam melhor se recolher.