Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

obnubilado

Blog que ainda existe, apesar do tempo.

O réu não sou eu

E então, resolvi ir no Fórum Central. Precisava processar alguém. Fui processar. O Juizado Especial Cível (as pequenas causas, falando claramente) funciona numa sala no terceito andar. Não é grande, nem tem muitas cadeiras (três, talvez quatro). Cheguei e havia uma pequena fila. Um homem explicava à recepcionista (a moça que faz a triagem) algo sobre um cheque. Ele, pelo visto, estava demorando demais e duas mulheres logo antes de mim foram embora. Em seguida, o homem do cheque foi embora também, enviado que foi para outro órgão. Em seguida, fui atendido, selecionado pela moça muito simpática (louca para recarregar o celular) e me sentei numa das cadeiras, a esperar. Uns quinze minutos depois, fui parar na mesa de um dos atendentes, para contar a história.

Essa é a pior parte. É como na polícia: você conta o que aconteceu e a pessoa que escuta escreve lá o que ela acha que você contou. Mas foi tudo tranqüilo, bem eficiente, pessoas educadas, um ambiente agradável com os funcionários de bom humor, intereagindo sorridentes entre si, fazendo piadas sobre a multa de danos morais que a Tim vai ter que pagar para um deles.

Na saída, desci pela rampa. Não havia escada, mas uma rampa, impositiva, no meio do prédio. O Fórum, a propósito, fica numa ruazinha de uma quadra só, posso supor que construída bem recentemente porque, além de aparentar novidade, não consta em mapas da cidade. Essa rua, apesar de ser logo atás da Borges de Medeiros, parece uma vila suburbana: tudo compacto, com uma pracinha para as crianças, banca de revista, umas lancherias, construções de poucos andares, muitas pessoas andando de um prédio para o outro, com roupas coloridas, como num filme cuja direção de arte peca pela falta de sujeira e imperfeições.

Sentada na calçada, uma moradora de rua muito séria falava com alguém invisível: "Ah, o feijão! Feijão é muito perigoso. Ela botou o feijão loirinho na panela e depoiz fez um chá com as folhas de mamão". Um motoboy olhava assustadíssimo para ela.

1 comentário

Comentar post